Proxyes da Turquia violam cessar fogo com ataque de artilharia contra o Exército Sírio em Idlib

blank
Imagem de captura de tela de vídeo do grupo de terroristas islâmicos "Hay'at Tahrir al-Sham", proxye da Al-Qaedana Siria.

Militantes da Grande Idlib continuam a bombardear áreas controladas pelo governo em apoio aos ex-rebeldes de Daraa, que estão sendo pressionados pelas autoridades sírias a entregar suas armas e deixar a governadoria do sul.

Em 5 e 6 de agosto, a Frente Nacional para a Libertação (NFL), o principal grupo de proxyes da Turquia na Grande Idlib, atacou áreas controladas pelo governo na zona rural do sul de Idlib e na zona rural do noroeste de Hama com canhões de campanha M-46 130 de fabricação soviética fornecidos pelo Exército Turco.

Os ataques de artilharia da NFL foram uma violação flagrante do cessar-fogo na Grande Idlib, que foi intermediado pela Rússia e pela Turquia no ano passado. Nenhuma vítima ou perda material foi relatada como resultado dos ataques até o momento.

Militantes apoiados pela Turquia não são o único lado a apoiar os ex-rebeldes de Daraa na Grande Idlib. Em 31 de julho, o grupo de terroristas islâmicos “Hay’at Tahrir al-Sham”, proxye da Al-Qaeda, o governante de fato da região, divulgou um comunicado prometendo intensificar os ataques a áreas controladas pelo governo em apoio a Daraa.

A crise de Daraa ainda não foi resolvida, já que os líderes locais continuam rejeitando as demandas feitas pelas autoridades sírias. O Exército Árabe Sírio pode lançar uma operação militar em Daraa al-Balad, na parte sul da cidade de Daraa, em breve.

E se o governo sírio e as forças russas presentes julgarem necessário, um grande ataque aéreo também poderá ser efetuado, o que não deixará chances para a sobevivência das posições dos gripos terroristas apoiados pela Turquia.

Os repetidos ataques de militantes da Grande Idlib provavelmente não farão nenhum bem aos ex-rebeldes de Daraa. Na verdade, esses ataques estão apenas levando a uma escalada maior na região noroeste.

No final de 31 de julho, as autoridades sírias emitiram um aviso final aos ex-rebeldes na parte sul da cidade de Daraa, conhecida como Daraa al-Balad, de acordo com várias fontes de observadores internacionais

As autoridades deram aos líderes locais em Daraa al-Balad tempo até 1º de agosto para aceitar um novo acordo de reconciliação. Segundo o acordo, 132 homens armados locais serão expulsos para áreas controladas pela oposição no norte da Síria. Medidas de segurança rígidas também serão implementadas em Daraa al-Balad.

Os líderes locais ainda não aceitaram o acordo. Muitos dos homens armados procurados pelas autoridades sírias se recusam a deixar Daraa al-Balad.

Uma grande força de ataque do Exército Árabe Sírio (SAA) liderada pela elite da 4ª Divisão iniciará um ataque total em Daraa al-Balad, se os líderes locais não aceitarem o novo acordo de reconciliação antes do final de 1º de agosto .

A SAA tem tomado medidas para evitar qualquer reação de ex-rebeldes em outras partes de Daraa. Muitos pequenos postos de controle e postos no interior da governadoria foram evacuados. As tropas foram transferidas para bases altamente fortificadas.

Os ex-rebeldes na zona rural oriental e ocidental de Daraa lançaram uma série de ataques a dezenas de postos e postos de controle em 29 de julho em resposta a uma tentativa de ataque da SAA em Daraa al-Balad.

Naquela época, pelo menos 40 militares sírios foram capturados pelos ex-rebeldes. Todos os cativos foram libertados após a mediação russa no final de 31 de julho.

As autoridades sírias levam claramente a sério o fim da situação anormal em Daraa al-Balad. As novas medidas do SAA garantem que os erros anteriores não se repitam caso seja ordenada uma operação de segurança da área.

  • Com informações SANA Syria, Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH – Syrian Observatory for Human Rights) e STF Analysis & Intelligence via redação Orbis Defense Europe.