Rompimento do acordo entre Boeing e Embraer pode afetar o C-390 Millenium?

Após a empresa Boeing confirmar a rescisão do contrato para a compra da maioria das ações da Embraer, como que esta ação pode vir a colocar em xeque o desenvolvimento da principal aeronave militar da empresa brasileira, o C-390 Millennuium.

No último sábado (25), a Boeing publicou nota informando que estaria saindo da Joint venture com a empresa Embarer, e que daria à companhia norte-americana 80% das ações do setor comercial da Eempresa brasileira, assim como 49% da aeronave de carga C-390 Millennium.

Analistas comentaram ao site Defense News que a disputa entre as companhias poderia representar o colapso desta colaboração na esfera militar, mesmo que que a Boeing tenha afirmado que a companhia manteria os acordos de cooperação anteriores para promover o C-390 internacionalmente.

“O futuro do KC-390 sem a Boeing (ou sem um auxílio da Defesa dos EUA) não é nada bom”, comentou Richard Aboulafia, analista do setor aeroespacial do Grupo Real. “Parece que as cabeças mais frias deveriam prevalecer”.

Em novembro, as companhias anunciaram a formação de uma nova entidade, a Boeing-Embraer Defense, criada com o propósito de promover ativamente o C-390 internacionalmente.

O acordo deu à companhia americana uma aeronave que poderia vir a competir com o C-130 da Lockheed Martin, enquanto capacitava a Embraer com recursos.

A grande questão agora é, se a Embraer buscará outras parcerias para esta aeronave ou o seu setor comercial como um todo, argumentou Byron Callan, analista da Capital Alpha Partners.

“Me pergunto se há algo ou alguém que poderia emergir em 2021 ou 2022 e estabelecer uma parceria com a Embraer. Poderiam ser os chineses? Os indianos? Outro país, companhia ou entidade fora dos EUA?”, comentou Callan. “Seria uma ampla e interessante mudança para a indústria aeroespacial, que possui também implicações militares”.

É até possível que a Airbus possa tentar usurpar o papel da Boeing como parceira da Embraer no C-390, disse Callan, observando que a Airbus – tal como a Boeing – não possui um avião de carga médio que concorra diretamente com o C-130.

A Pandemia pode impactar

Outra grande questão é como a pandemia do coronavírus afetará os gastos internacionais com defesa, o que terá implicações para as indústrias locais e internacionais do setor militar.

Callan agregou que alguns países que encomendaram a aeronave, como Portugal e o Brasil, “estão provavelmente observando diferentes prioridades no planejamento do orçamento militar”.

Enquanto isso, Aboulafia acrescentou que o abandono do acordo com a Boeing aumenta a probabilidade de a Embraer precisar de estímulos econômicos do governo federal para fortalecer o seu setor comercial durante a pandemia.

“Estes fundos poderiam facilmente vir dos gastos de defesa, o que impactaria os programas militares da Embraer, particularmente o Gripen ou o C-390”, afirmou o especialista.

  • Com agências internacionais




Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail