Royal Marines completam treinamento de guerra no ártico com missões de combate simulados

blank
Imagem de um dos muitos combates simulados entre os grupos de Royal Marines do Commando 45 durante o exercício de guerra àrtica. Foto via Royal Marines/Commando 45.

A fúria da batalha reverberou em torno das montanhas cobertas de neve e fiordes do alto norte da Noruega, o clímax de dois meses de treinamento ártico ártico pelos fuzileiros navais reais.

Os especialistas em guerra em clima frio de Arbroath 45 Commando foram incumbidos de emboscar e perseguir um inimigo simulado através do terreno montanhoso, testando a astúcia e habilidade tática de cada real fuzileiro naval em um dos lugares mais inóspitos da terra. Os exercícios de combates simulados acontecem desde 12 de março de 2021 e não foi divulgada a data de encerramento.

A ‘fase de luta’ de uma semana também foi uma chance para o desenvolvimento de táticas de equipes pequenas que são uma parte fundamental da modernização da Força de Comando do Futuro, que é ver os Royal Marines adotarem novas tecnologias e voltarem a ser invasores do mar.

O objetivo da semana, e do curso, é produzir reais fuzileiros navais que se sintam capazes ​​de operar em um ambiente montanhoso e ártico pois os inimigos presumidos que um dia poderão ser enfrentados na região já treinam normalmente em ambiênte áartico à muitas décadas (os russos).

A fase de luta é deliberadamente árdua, pois consegue incutir a disciplina e as habilidades necessárias para superar o ambiente e um adversário determinado.

A última semana do curso “Winter Warfare Training” foi um avanço significativo da fase de mobilidade (na qual os comandos atualizam as habilidades de se mover com sapatos de neve e esquis), o clima também se tornou muito mais desafiador, mas os reais fuzileiros navais aproveitaram a oportunidade de ser testados neste ambiente e demonstram que ainda podem ser letais.

A fase de luta é deliberadamente árdua, pois consegue incutir a disciplina e as habilidades necessárias para superar o ambiente e um adversário determinado.

Os Commandos operaram através de montanhas, reunindo inteligência sobre seu ‘inimigo’ e interrompendo e destruindo posições

Eles também aprimoraram as habilidades do início da implantação de inverno, movendo-se em esquis e sapatos de neve para atravessar rapidamente o campo de batalha e utilizando técnicas de sobrevivência para se sustentar em seus arredores brutais.

Os novos comandantes de tropa receberam a liberdade e a responsabilidade de redigir e emitir suas ordens e posicionar seus fuzileiros navais contra a tropa de reconhecimento do Commando 45, que atuava como adversário nas batalhas.

Ao mesmo tempo, a equipe especialista de reconhecimento da costa do 30 Commando Information Exploitation Group estava lançando missões ao lado de um fiorde norueguês ao redor da área de Narvik.

A equipe de especialistas do Esquadrão de Vigilância e Reconhecimento tem aprimorado suas habilidades para pousar nas costas rochosas do fiorde usando suas pequenas aeronaves, helicópteros de ataque rápido para mover-se em posições “inimigas”.

A equipe, que é especialista em reconhecimento e estudo de linhas costeiras para as melhores áreas para pousar forças anfíbias maiores, realizou missões diurnas e também sob a cobertura da escuridão usando equipamentos de visão noturna.

Sua tarefa era mover-se com precisão para enfrentar as posições “inimigas” discretamente, sem mostrar nenhuma luz, usando remos de seus pequenos barcos para chegar à terra silenciosamente.

As embarcações de ataque costeiro que podem transportar até seis comandos (ou quatro com equipamentos completos), são movidas por um motor externo, mas também são equipadas com remos para abordagens silenciosas para tarefas secretas quando um ruído do motor comprometeria a missão, como aquelas realizado pela equipe de reconhecimento.

A equipe também praticou a retirada de uma praia sob forte contato de posições inimigas e outros procedimentos de emergência.

O Commando 45 está agora terminando seu treinamento no Ártico com tiros de fogo real, mas também treinamentos complementares em esqui e em skidoos para reconhecimento e maior mobilidade através do terreno antes de retornar ao Reino Unido.

  • Fonte: Royal Navy/Royal Marines via redação Orbis Defense Europe.