Segundo senador Lindsey Graham, presidente Donald Trump, pensou a possibilidade de utilizar força militar na Venezuela

blank

O senador Republicano, Lindsey Graham, afirmou durante entrevista a um site de notícias, que o presidente dos EUA, Donald Trump, questionou com ele a possibilidade de se fazer uso da força militar em uma ação de intervenção na Venezuela, há algumas semanas. “O presidente Trump falou comigo: ‘O que você acha de usarmos força militar na Venezuela?’ e eu disse: ‘Bem, você precisa ir devagar, isso pode ser problemático’. E ele disse: ‘Bem, estou surpreso, você quer invadir todo mundo’, afirmou Graham ao site de notícias Axios sobre sua conversa com o presidente dos EUA, que aconteceu há algum tempo.

blankSegundo Graham, a força militar deve ser usada apenas quando os interesses de segurança nacional dos EUA forem comprometidos. O senador acrescentou que Trump era “muito agressivo” em relação à Venezuela. Citando funcionários influentes e do alto escalão do governo de Trump, o site de notícias informa que não houve sinais de que Washington realmente planejasse invadir a Venezuela, uma vez que o presidente norte-americano apenas queria acelerar a mudança de regime no país latino-americano devido a motivos econômicos e diplomáticos. Em 23 de janeiro, o conflito entre o governo e a oposição na Venezuela se agravou, quando o presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou presidente interino do país.

blankOs EUA e vários outros países reconheceram Guaidó. Por sua vez, Maduro acusou Washington de organizar um golpe e disse que Caracas está rompendo relações diplomáticas com os EUA.  As relações entre os Estados Unidos e a Venezuela têm sido tensas desde há muito tempo. Em agosto de 2017, Trump comentou que não descartaria uma “opção militar” para acabar com o caos na Venezuela. A Rússia apoia Maduro como presidente legítimo da Venezuela e demonstra sua disposição de se tornar mediadora no estabelecimento de relações entre as autoridades e a oposição na Venezuela, se tais esforços forem considerados necessários.

  • Com informações de agências de notícias internacionais

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here