Tabebã mal completou uma semana de poder e execuções públicas já começaram em Kabul

blank
Imagem via redes sociais.

O Talibã afirma que será mais moderado, mas os assassinatos continuam no Afeganistão. Muitas imagens disponíveis nas redes sociais são impublicáveis devido ao teor de violência.

Os afegãos estão céticos em relação à afirmação do Taleban de que planeja governar com mais moderação desta vez

Mesmo com o ressurgimento do Taleban no Afeganistão prometendo respeitar os “direitos das mulheres” em uma blitz de propaganda na terça-feira, combatentes do grupo atiraram e mataram uma mulher na província de Takhar depois que ela saiu em público sem uma burca.

E em Cabul, veículos do Taleban lotados de militantes armados foram gravados em vídeo patrulhando diversas áreas por Kabul. Tiros podem ser ouvidos enquanto eles aceleram nas ruas.

O antigo porta-voz do Taleban, Zabihullah Mujahid, deu sua primeira entrevista coletiva na terça-feira para afirmar que o grupo extremista honraria os direitos das mulheres, mas dentro da lei sharia. Ele também afirmou que a anistia seria oferecida aos afegãos que trabalharam para o extinto governo apoiado pelos Estados Unidos.

Antes da invasão americana pós-11 de setembro derrubar o governo do Taleban em 2001, o grupo restringiu severamente a liberdade das mulheres, confinando-as em suas casas sem um acompanhante masculino e aplicando normas rígidas de vestimenta.

blank
Uma mulher no distrito de Taloqan, província de Takhar, deitada em uma poça de sangue enquanto seus pais e outras pessoas se agacham ao seu redor, um jarro no chão próximo.

Esta semana, o Taleban está incentivando as mulheres a voltarem ao trabalho e as meninas a voltarem à escola, onde lenços de cabeça estão sendo distribuídos, segundo a The Associated Press. Mas uma foto contundente mostra uma mulher no distrito de Taloqan, província de Takhar, deitada em uma poça de sangue enquanto seus pais e outras pessoas se agacham ao seu redor, um jarro no chão próximo. Ela foi baleada e morta por sair sem burca.

Já existem centenas de relatos idênticos, assim como relatos de “justiçamentos” para elementos colaboradores imperdoáveis e estrangeiros acusados de espionagem, sabotagens e incitações anti-Talebã.

Na terça-feira, um afegão e ex-contratado do Departamento de Estado disse à Fox News que os combatentes do Taleban montaram postos de controle em Kabul, em alguns casos espancando civis que tentavam chegar ao aeroporto e fugir do país. Contraditoriamente, também existem muitos relatos de que o Talebã obrigou milhares de pessoas a invadir o aeroporto e causar o caos nas pistas, justamente para produzir imagens que desmoralizassem os EUA e seus aliados nos esforços de retirada de seus contingentes civis e afegãos comaboradores comprovados.

“Havia crianças, mulheres, bebês, mulheres idosas, que mal podiam andar”, disse ele. “Eles [estão em uma] situação muito, muito ruim, estou lhe dizendo. No final, eu estava pensando que havia cerca de 10.000 ou mais de 10.000 pessoas, e eles estão correndo para o aeroporto … Os militantes do Talibã estavam batendo nas pessoas e as pessoas pulavam da cerca, do arame farpado e também da parede. “

Ele disse que os militantes estavam percorrendo bairros em busca de pessoas que ajudaram os EUA e que combatentes do Taleban questionaram seus vizinhos sobre ele.

A situação no terreno no Afeganistão está evoluindo rapidamente, de acordo com o Departamento de Estado, que se esforça para evacuar milhares de americanos e aliados após a rápida conquista do Taleban em todo o país.

Mesmo antes de os EUA terminarem de deixar o país, os combatentes do Taleban reivindicaram territórios em todo o país, incluindo Kabul, a capital do país. Em muitos casos, os militares afegãos treinados e fornecidos pelos EUA cederam terreno sem lutar. O presidente Ashraf Ghani fugiu do país no domingo, e combatentes do Taleban posavam para fotos no palácio presidencial horas depois.

Até 11.000 americanos permaneciam no país até terça-feira, com o governo Biden lutando para providenciar voos.

No entanto, o secretário de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, não chegou a prometer que os militares ajudariam a evacuar todos os americanos e aliados que permaneceram no país até o final do mês.

“Nosso foco agora é fazer o trabalho em mãos”, disse ela durante uma coletiva de imprensa, definindo isso como evacuar o máximo possível de pessoas qualificadas.

O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse à Fox News na terça-feira que os EUA “receberam garantias” do Taleban de que o grupo permitirá a passagem segura de civis que se dirigem ao aeroporto de Cabul.

“Nós consideramos o que é”, disse ele. “É claro que procuraremos uma coisa e apenas uma coisa, seguir em frente.”

  • Com textos adaptados da matéria original de Adam Shaw, da Fox News, Rich Edson e Edmund DeMarche da Associated Press; via redação Orbis Defense Europe/Genebra.