Tanques alemães Leopard 2A7A1 com sistema de proteção ativa Trophy APS

O Leopard 2A7 é uma das últimas gerações de MBT da família Leopard 2

blank
Tanque Leopard 2A7A1 equipado com sistema de proteção Trophy APS de fabricação israelense. (Foto: KMW)

O Carro de Combate Principal (Main Battle Tanks – MBT) Leopard 2A7A1 está sendo atualizado e equipado com o Sistema de Proteção Ativa da empresa israelense Rafael, o Trophy APS, que será implementado na Força-Tarefa de Preparação Conjunta Muito Alta (VJTF) da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

Em fevereiro deste ano a empresa alemã, Krauss-Maffei Wegmann (KMW), anunciou um contrato para instalar o sistema Trophy APS nos MBT´s Leopard 2A7 Alemães. Espera-se que no futuro, o Exército Alemão adquira sistemas Trophy APS adicionais para equipar a maior parte de sua frota de Leopard 2 com recursos APS.

As principais características desta nova atualização é uma nova blindagem, novos sistema de energia, de resfriamento do compartimento da tripulação, e de engajamento de armas.

Os primeiros MBT foram entregues ao Exército Alemão em dezembro de 2014. Um total de 14 unidades foram produzidas para o Batalhão de Tanques 203, mais quatro para o Centro de Treinamento do Corpo Blindado e um veículo para a Escola Técnica de Sistemas Terrestres e Escola de Tecnologia do Exército.

O armamento principal do Leopard 2A7 é semelhante ao Leopard 2A6, que inclui um canhão 55 120mm Rh 120 smoothbore, uma metralhadora coaxial MG3A1 calibre 7.62x51mm e uma metralhadora MG3 7.62mm montada na escotilha do carregador localizada no lado esquerdo do a torre do telhado.

O sistema Trophy APS israelense está agora em serviço em três países; incluindo Israel no Merkava 4, nos Estados Unidos com o M1A2 SEPV V3 também chamado M1A2C, e agora no Leopard 2A7A1 Alemão.

O Trophy APS consiste em antenas de radar, contramedida, lançador e autoloader. Quando um projétil é detectado, o computador interno calcula um vetor de aproximação antes que o projétil chegue. Assim que à ameaça se aproxima ela é classificada, e os computadores calculam o tempo e o ângulo ideais para disparar as contra-medidas.

A resposta vem de dois lançadores rotativos instalados nas laterais do veículo que disparam um número muito pequeno de Múltiplos Penetradores Formados por Explosivos (Multiple Explosive Formed Penetrators – MEFPs) que formam uma matriz muito estreita e precisa, direcionada a um ponto específico na ogiva do projétil antitanque.

De acordo com a imagem divulgada pelo KMW, uma antena de radar é montada em cada um dos armamentos principais na frente da torre, enquanto para o Merkava IV israelense e o M1A2C americano, as antenas de radar são montadas na lateral da torre.

  • Com informações do site Army Recognition
  • Tradução e Adaptação: DefesaTV