Turquia ataca posições do Exército Sírio estacionado em Tell Tamr (nordeste da Síria)

blank

Ao final da tarde de 24 de setembro, forças turcas e seus proxyes (grupos de terroristas islâmicos que se vendem por rebeldes anti-Assad) bombardearam com disparos de artilharia pesada um posto do Exército Árabe Sírio (SAA) na região nordeste da Síria. Ainda não existem relatos de baixas e extensão de danos.

O posto em questão está localizado perto da aldeia de al-Tawilah, a oeste da cidade de Tell Tamr, na zona rural do norte de al-Hasakah. Como a maior parte do nordeste da Síria, a área é controlada pelas Forças Democráticas Sírias (SDF), apoiadas pelos EUA, e, aparentemente sem ligação com os proxyes da Turquia ligados ao ISIS e Al Qaeda.

Os motivos por trás do bombardeio turco em al-Tawilah permanecem obscuros. Não houve muitos confrontos entre os militantes apoiados pela Turquia e a SDF nos últimos dias em torno de Tell Tamr.

Ativistas e observadores civis locais que fiscalizam os acordos de cessar-fogo confirmaram a origem do ataque, e como prova compartilharam vários vídeos do bombardeio turco em al-Tawilah. Nenhuma vítima ou perda material foi relatada até agora.

O SAA (Syrian Arab Army) e a Polícia Militar Russa estabeleceram uma rede de posições no nordeste da Síria após o ataque de 2019 liderado pela Turquia na região. O exército mantém uma grande presença em Tell Tamr e seus arredores para proteger a rodovia M4, que liga al-Hasakah a Raqqa e Aleppo.

A Turquia pode estar testando o terreno e as reações da Síria antes de lançar uma nova operação em grande escala no nordeste da Síria ou responder aos recentes ataques em seus proxies na região de Grater Idlib, no noroeste da Síria.

Ataque da Turquia foi uma represália fútil contra ataque russo que eliminou terroristas islâmicos no mesmo dia

Em 24 de setembro, uma munição ociosa (também conhecida por bomba ou drone “tipo ninja”) não identificada teve como alvo um veículo militar de Hay’at Tahrir al-Sham (HTS), afiliado à Al-Qaeda, ou seus aliados perto da cidade de Benin, na região de Grande Idlib, no noroeste da Síria.

Ativistas da oposição síria compartilharam um vídeo mostrando a munição voando sobre o sul de Idlib segundos antes de atingir seu alvo. A munição, que tinha um design de asa em forma de X, é idêntica a um tipo que foi usado contra o HTS e foi aliada várias vezes no passado.

Enquanto alguns ativistas disseram que a munição ociosa foi lançada por forças russas, outros acreditam que é síria ou iraniana. Porém uma coisa é certa; somente os russos estão neutralizando terroristas islâmicos com sucesso nos últimos tempos…

Poucas horas antes do ataque, aviões de guerra das Forças Aeroespaciais Russas realizaram pelo menos quatro ataques aéreos nos arredores das cidades de Ghassaniyeh e Alyeh no oeste de Idlib.

De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, aviões de guerra russos realizaram pelo menos 185 ataques aéreos na Grande Idlib desde o início de setembro.

A situação em Idlib permanece instável. O acordo de cessar-fogo está sendo violado diariamente pela HTS e seus aliados. Um confronto militar pode estourar na região em breve. Relatórios recentes indicam que o Exército Árabe Sírio e seus aliados estão planejando lançar uma operação terrestre na região.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, deve discutir a situação instável na Grande Idlib com o presidente russo, Vladimir Putin, em Moscou, em 29 de setembro.

  • Com informações STFH Analysis & Intelligence, SANA Syria, Observatório Sírio para os Direitos Humanos e redes sociais via redação Orbis Defense Europe/Genebra.