U.S. Navy divulga relatório final do incêndio do USS Bonhomme Richard

blank
U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 3rd Class Christina Ross.

A U.S. Navy (Marinha dos EUA) divulgou nesse dia 20 de outubro dois relatórios relacionados ao incêndio a bordo do USS Bonhomme Richard (LHD 6) em 12 de julho de 2020: os resultados da Investigação do Comando da Frota do Pacífico dos EUA e uma Revisão de Grandes Incêndios, encomendada pelo Vice-Chefe de Operações Navais que examinou todos os grandes incêndios na Marinha nos últimos 12 anos.

A Marinha dos EUA convocou a investigação do comando PACFLT sobre o USS Bonhomme Richard para examinar especificamente todos os fatores causais e que contribuíram para o incêndio que resultou na perda total do navio.

Existiram quatro categorias de fatores de causa que permitiram o acúmulo de risco significativo e levaram a uma resposta ineficaz ao incêndio:

– a condição material do navio,
– o treinamento e prontidão da tripulação do navio,
– a integração entre o navio, e,
– o apoio ao combate a incêndios em terra organizações e a supervisão conflitante por comandantes em várias organizações.

A investigação do comando também concluiu que “a falta de familiaridade com os requisitos e o descumprimento de procedimentos em vários níveis de comando” contribuíram para a perda do navio.

O Almirante VCNO Bill Lescher enfatizou o compromisso da Marinha em fazer mudanças urgentes e necessárias para corrigir as deficiências e as “causas básicas” relacionadas que levaram ao incêndio de Bonhomme Richard.

“A perda deste navio era totalmente evitável”…“E a Marinha está executando um processo deliberativo que inclui a tomada de medidas de responsabilidade apropriadas com relação ao pessoal designado para Bonhomme Richard e os comandos de costa projetados para apoiar o navio enquanto atracado na Base Naval de San Diego.” Declarou o Almirante VCNO Bill Lescher.

O Almirante VCNO Bill Lescher designou o comandante da Frota do Pacífico dos EUA como Autoridade de Disposição Consolidada para lidar com as “ações administrativas e disciplinares” relacionadas aos militares. As recomendações relativas aos funcionários civis serão encaminhadas ao supervisor competente para ação.

Com base em uma investigação criminal separada, o Comandante da 3ª Frota dos EUA confirmou as acusações contra um marinheiro que foi acusado de causar o incêndio de forma criminosa, agravado e colocando em perigo de uma embarcação. Uma audiência preliminar para o marinheiro indiciado está marcada para meados de novembro.

A investigação foi exaustiva em escopo, produzindo mais de 1.000 descobertas de fatos associados ao incêndio, resultando em 242 opiniões baseadas nessas descobertas, 139 recomendações para ações corretivas por várias organizações em níveis em toda a Marinha e listando 36 indivíduos (entre civis e militares) recomendados para ações de responsabilização.

Além disso, o relatório reconheceu a “bravura, engenhosidade e desenvoltura nas ações dos marinheiros em toda a orla de San Diego e outros que tiveram um papel na resposta” e identificou 10 recomendações de desempenho meritórias para ações tomadas durante os esforços de combate a incêndios.

Juntamente com os resultados da investigação de Bonhomme Richard, a Marinha dos EUA também divulgou os resultados da Revisão dos Grandes Incêndios, ordenada em janeiro de 2021 pelo VCNO. Uma revisão histórica abrangente dos principais incêndios a bordo de navios da Marinha dos Estados Unidos, o Major Fires Review teve como objetivo identificar tendências recorrentes nos fatores causais de 15 grandes incêndios a bordo nos últimos 12 anos.

A revisão abrangente incluiu 12 descobertas principais que contribuem para um estado atual de risco elevado para navios em disponibilidade de manutenção com sete recomendações estratégicas para ações corretivas.

O Major Fires Review revelou que o aprendizado ineficaz, a persistência de fraquezas subjacentes nos padrões de vigilância a bordo, estiva de materiais perigosos e combustíveis e treinamento foram os principais problemas que contribuíram para a falta de mudanças duradouras e em incêndios a bordo.

Para abordar as conclusões da Investigação do Comando e da Revisão de Grandes Fogos, a Marinha estabeleceu um Conselho de Aprendizagem para a Ação para implementar as recomendações e avaliar sua execução contínua ao longo do tempo, testando se as recomendações permanecem em vigor e se estão fornecendo o pretendido efeito.

O primeiro L2AB foi convocado em 13 de outubro de 2021 e se reunirá trimestralmente para fornecer uma estrutura, processo e fórum para orientar a responsabilidade pela implementação e avaliação das recomendações aprovadas por meio da propriedade da Frota, Comando de Tipo e Comando de Sistemas.

“O Learning to Action Board fornece a estrutura e a cadência de responsabilidade para o aprendizado que fará com que essas recomendações ganhem vida com urgência”, disse Lescher.

Veja no link abaixo a Investigação do Comando do incêndio do USS Bonhomme Richard e os documentos da Revisão dos Grandes Incêndios na sala de leitura da FOIA da Marinha:

https://www.secnav.navy.mil/foia/readingroom/SitePages/Home.aspx

Comentários adicionais da redação Orbis Defense Europe

Baseado na experiência profissional e de pesquisas dos integrantes da redação Orbis Defense, afirmamos que para qualquer um que seja designado para o trabalho em ambiêntes industriais ou de manutenção, similares ao que estava implantado nos trabalhos à bordo do USS Bonhomme Richard, é imperativo que todos possuam uma consiência situacional da prevenção de acidentes e principalmente dos procedimentos de prevenção aos riscos de incêndios, bem como os procedimentos de combate ao fogo quando esse está em seu início e os procedimentos de salvamentos de feridos e abandono do local/embarcação quando a situação já está considerada como “fora de contrôle”.

Outro fato importante a ser citado nesse caso do incêndio à bordo do USS Bonhomme Richard é a confirmação do processo de investigação criminal, que ocorre em paralelo à investigação com finalidades de estudo de prevenção, esta o principal escopo da matéria divulgada pela U.S. Navy.

De acordo com fontes exclusivas de colaboradores da equipe Orbis Defense Europe nos EUA, a investigação criminal que aparentemente ainda não terminou concluiu que; o marinheiro que iniciou o incêndio o fez de maneira intencional, totalmente consciênte dos seus atos, porém aparentemente subestimando os sistemas de vigilância e de investigação que descobririal a responsabilidade direta dos atos do referido marinheiro, acusado de ser o principal causador doloso do incêndio, o que finaliza por determinar o incêndio como “criminoso”.

Outro fato muito importante de ser destacado, de acordo com as informações das fontes exclusivas da redação Orbis Defense Europe nos EUA é que; o marinheiro acusado de ser o principal causador intencional do incêndio à bordo do USS Bonhomme Richard, agiu com consciênte motivação de usar o ato como “revanchismo político-social, inicialmente inspirado por influências diretas de movimentos políticos de ideologias da extrema-esquerda, anarquistas da filosofia “black block”e “Black Lives Matter”, existindo também a grande suspeita do mesmo também ter agido seguindo orientações de alguma potência estrangeira que certamente é a China ou movimentos terroristas islâmicos como a Al-Qaeda, ISIS ou outros interessados, que teriam oferecido pagamento em dinheiro, ou apenas o “reconhecimento moral” ao marinheiro, que também é acusado de “alta traição”.

Em complemento aos fatos da investigação do ato e das motivações do referido marinheiro acusado, existe também a investigação da grande suspeita de existência de colaboração de terceiros (militares e/ou civis) que trabalhavam nas atividades de manutenção do navio USS Bonhomme Richard, pois a velocidade e extensão do incêndio foram de tal maneira abrangente que jamais poderiam ter atingido a gravidade de danos, sem a ação de colaboração de terceiros.

Também de acordo com as fontes anônimas exclusivas da redação Orbis Defense Europe, o fato da investigação final determinar e exaltar outros fatores como agravantes, na aparente “condução ineficiênte” do combate ao incêndio do USS Bonhomme Richard, é uma interferência política com a intenção de tirar a atenção dos fatos da sabotagem direta do referido marinheiro, que agia sob auspícios altamente suspeitos e que certamente não são de elucidação desejada por parte da atual class política que domina os EUA atualmente.

Para mais referências:

Investigação da U.S. Navy suspeita de incêndio criminoso no USS Bonhomme Richard