Últimas seções do submarino convencional ‘Angostura’ SBR-4 são entregues pela Nuclep

A Nuclebras Equipamentos Pesados (Nuclep) encerrou essa semana a construção dos cascos pesados dos quatro submarinos convencionais classe Riachuelo, classe Scorpène, para a Marinha do Brasil (MB), como parte do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub).

A Nuclep realizou na última terça-feira (26), a entrega das seções S3 e S4 do submarino “Angostura” (S43) à Itaguaí Construções Navais (ICN). Juntas, as seções somam 18,9 metros de comprimento e pesam 127 toneladas, sendo elas consideradas as maiores já construídas pela Nuclep.

Antes do Angostura já foram confeccionados e entregues pela Nuclep para montagem final, os cascos de três submarinos convencionais: o Riachuelo (S40), este já incorporado a MB em dezembro de 2018; o Humaitá (S41); e o Tonelero (S42).

O Prosub, iniciado em 2008, é uma parceria entre o Brasil e França e prevê, entre outros pontos, a transferência da tecnologia necessária para a construção de quatro submarinos convencionais diesel-elétrico, além da estruturação do futuro submarino brasileiro de propulsão nuclear “Álvaro Alberto” (SN-BR).

A Nuclep foi ainda responsável pela construção e entrega para a MB dos quatro submarinos convencionais IKL da Classe Tupi, de tecnologia alemã, nos anos 90, e é em seu piso fabril que será também construído os cascos do submarino nuclear.

“Esse projeto é muito importante para a defesa do país. Parabenizo os nossos funcionários e colaboradores pelo sucesso desse importante marco. Esta é uma  especialidade que poucas empresas no mundo estão aptas a oferecer e nós a desenvolvemos e executamos com qualidade ímpar e diferenciada capacidade profissional”, celebrou o presidente da Nuclep, contra-almirante Carlos Henrique Silva Seixas.

  • Com informações da Nuclep


4 COMENTÁRIOS

  1. Uma vez finalizado este lote, precisamos do contrato de outro lote não só para não perdermos a expertise adquirida como diminuir o custo pela escala de produção e manutenção dos meios construídos e melhorarmos os processos produtivos. Isto é um aprendizado constante.

  2. Importante investir na defesa dos mares brasileiros , principalmente utilizando os mortíferos submarinos.
    Não podemos esquecer que não possuímos uma viação de combate de 5°geracao , em quantidade compatível com nosso tamanho.
    Precisamos desenvolver arma de defesa antiaérea contundentes ,semelhante ao sistema “s” Russo, tais como S300,S350 e S400.
    Mais do que investir na armada, necessário investir em defesa antiaérea ,com tecnologia própria.
    Marcus portoni

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below