USAF declara que defenderá “Área 51” de tentativa de invasão convocada por redes sociais nos USA

A USAF possui uma das melhores estruturas de defesa de instalações e perímetros de segurança de todo o mundo, incluindo uma gigantesca capacidade de deslocamento de reforços. Aparentemente essa capacidade será posta à prova pela 1a vez dentro de seu próprio território contra uma parcela da população americana motivada por ilusões irresponsáveis. Imagem ilustrativa.

Começou como uma piada, mas agora a Força Aérea dos USA efetuou uma declaração pùblica orientando para que  não se aproximem da instalação conhecida como Área 51.

Mais de 1 milhão de pessoas confirmaram presença em um evento no Facebook, ameaçando invadir a base ultrassecreta no Estado de Nevada, que alguns acreditam abrigar alienígenas.

Até o momento 2.2 milhões de pessoas já confirmaram participação na provável invasão, o número pode vir a ser bem maior somado à eventos organizados em paralelo.

“Podemos nos mover mais rápido do que suas balas. Vamos ver esses alienígenas”, diz a página na rede social com milhares de comentários sobre o evento marcado para 20 de setembro.

Em resposta, uma porta-voz da Força Aérea disse ao jornal The Washington Post que o órgão está “pronta para proteger os Estados Unidos e seus ativos”.

“Eu só achei que seria engraçado e conseguiria algumas curtidas na Internet. Eu não me responsabilizo se as pessoas decidirem realmente invadir a Área 51”, escreveu o usuário Jackson Barnes na página do evento.

 

Mas a Força Aérea dos Estados Unidos  não está vendo graça.

“A Área 51 é um campo de treinamento aberto para a Força Aérea dos EUA, e nós desencorajamos qualquer um a tentar entrar na área onde treinamos as forças armadas americanas”, disse a porta-voz.

Todos os dias pessoas motivadas pela aventura e curiosidade tentam invadir a região conhecida como Área 51 e acabam detidas para averiguação, e em muitos casos pagam multas altas pela violação da lei que proíbe o acesso à civis em determinadas instalações militares consideradas perigosas ou secretas. Imagem via Internet.

Quais são as teorias sobre a Área 51?

Algumas teorias da conspiração dizem que o governo dos EUA tem informações sobre vida alienígena e óvnis que estão escondendo da população em geral.

Eles acham que a base da Área 51 mantém alienígenas capturados, sua tecnologia e objetos voadores não identificados – informações negadas pelo governo.

Teorias sobre a base começaram em 1989, quando um homem chamado Bob Lazar afirmou em uma entrevista na TV dos EUA que ele era um físico que havia trabalhado na Área 51.

Lazar apareceu recentemente no podcast do comediante Joe Rogan e em um documentário da Netflix, que pode ter despertado novo interesse em sua história.

Ele relata ter desmontado um óvni e lido documentos do governo descrevendo a presença de alienígenas na vida na Terra.

Mas, para além dos relatos, ele não tem provas concretas nem registros de seus diplomas universitários de Física. De todo modo, ele definitivamente ajudou a alimentar as histórias sobre a Área 51.

Como Thomas Bullard, autor de The Myth and Mystery of UFOs (O Mito e Mistério dos Óvnis, em tradução livre), diz: “Depois que a confiança entre o governo e o público foi corroída pelos acontecimentos da Guerra do Vietnã e o escândalo de Watergate, Roswell e a Área 51 entraram no vocabulário popular como referências da dissimulação do governo”.

Roswell é uma área no Novo México onde um objeto caiu do ar em 1947.

Os militares disseram que foi um balão meteorológico, mas uma teoria amplamente divulgada defende que, na verdade, era um óvni que havia pousado.

Em 1990, o governo dos EUA mudou a versão e disse que o objeto era um balão de vigilância de testes nucleares. Ainda assim o incidente atrai atenção e alimenta teorias de conspiração.
Onde fica e o que é a Área 51?

A Área 51 faz parte de uma base militar a cerca de 130 quilômetros a noroeste de Las Vegas, no Estado de Nevada.

O governo dos EUA chama o local de Centro de Teste e Treinamento de Nevada, parte da ampla Base da Força Aérea Edwards.

Sua função não é divulgada ao público, como acontece com muitas bases militares nos EUA.

Atacar o lugar pode ser um pouco difícil, já que ele tem acesso restrito ao público e guardas armados patrulhando o perímetro constantemente.

Também é difícil entrar no seu espaço aéreo sem permissão do controle de tráfego aéreo, algo que provavelmente não será concedido.

Com informações das grandes mìdias via redação Orbis Defense Europa.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here
Enter the text from the image below