USAF vai instalar micro-reator nuclear para fornecer eletricidade em base aérea no Alaska

blank
Foto via USAF.

A Força Aérea dos EUA selecionou a Eielson AFB para seu projeto piloto de seu primeiro micro-reator nuclear

A Força Aérea dos Estados Unidos selecionou a Base da Força Aérea de Eielson (AFB), localizada a aproximadamente 26 milhas (42 km) a sudeste de Fairbanks, Alasca, para instalar seu primeiro micro-reator nuclear . A capacidade de energia da próxima geração fornecerá à instalação uma tecnologia de fornecimento de energia nuclear limpa, confiável e resiliente para a infraestrutura crítica de segurança nacional.

No caso da base de Eielson, essa instalação consome várias toneladas de carvão para abastecer a capacidade da base com um consumo de 33,5 MW de eletricidade . Além do impacto negativo no meio ambiente, é simplesmente caro e o combustível é muito difícil de entregar, o que eleva muito os custos operacionais, por isso a Força Aérea está interessada em olhar para a energia nuclear como uma alternativa mais limpa e simples.

O projeto do microreator está sendo desenvolvido em resposta ao requisito da Lei de Autorização da Defesa Nacional do Ano Fiscal de 2019 para identificar locais potenciais para o local, construir e operar um microreator até o final de 2027. A Força Aérea trabalhará com o Departamento de Energia e da Comissão Reguladora Nuclear para facilitar o projeto piloto do micro-reator e garantir que este seja conduzido com a segurança como prioridade número um. Licenciado pela Comissão Reguladora Nuclear dos Estados Unidos, o micro-reator será de propriedade privada e operado comercialmente.

“A energia é um ativo crítico para garantir a continuidade da missão em nossas instalações”, disse o subsecretário adjunto da Força Aérea para o Meio Ambiente, Segurança e Infraestrutura, Mark Correll. “Micro-reatores são uma tecnologia promissora para garantir resiliência e confiabilidade de energia e são particularmente adequados para alimentar e aquecer bases militares domésticas remotas como Eielson AFB.”

“Esta tecnologia tem o potencial de fornecer garantia de energia verdadeira, e a infraestrutura de energia existente e clima compatível em Eielson tornam o local perfeito para validar sua viabilidade”, disse o Sr. Correll.

blank
A imagem mostra o Reator de Teste Transiente no Laboratório Nacional de Idaho. Crédito: ENERGY.GOV

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DOD) divulgou um esboço da declaração de impacto ambiental (EIS) para a construção e demonstração de um microrreator nuclear móvel no Laboratório Nacional de Idaho. O protótipo do reator será projetado para fornecer de um a cinco megawatts de energia elétrica por pelo menos três anos de operação com potência total.

Atualmente, o departamento consome cerca de 30 terawatts-hora de eletricidade por ano e mais de 10 milhões de galões de combustível por dia. Espera-se que o consumo colossal de energia aumente significativamente nos próximos anos devido à eletrificação antecipada da frota de veículos não táticos e ao amadurecimento das futuras capacidades de uso intensivo de energia.

O Laboratório Nacional de Idaho define microrreatores nucleares como pequenos núcleos que produzem cerca de 1 a 50 megawatts e podem operar independentemente das redes elétricas.

Duas empresas, BWXT Advance Technologies da Virgínia e X-energy de Maryland, estão desenvolvendo projetos finais para o protótipo sob uma iniciativa do Strategic Capabilities Office (SCO) chamada Projeto Pele. Os protótipos das duas empresas serão então revisados ​​pelo departamento no início de 2022 e receberão uma análise ambiental completa, após a qual uma das duas empresas será escolhida para construir e demonstrar um protótipo.

Um reator nuclear seguro, pequeno e transportável atenderia a essa demanda crescente com uma fonte de energia resiliente e livre de carbono que não aumentaria as necessidades de combustível do DoD, ao mesmo tempo que apoiava operações de missão crítica em ambientes remotos e austeros. Para permitir o transporte e uso rápidos, ele será projetado para operar em até três dias após a entrega e pode ser removido com segurança em até sete dias.

O “Projeto Pele” é um reator nuclear de quarta geração capaz de funcionar até mesmo em ambientes remotos e austeros. Uma vez prototipado, ele poderia servir como um pioneiro para a adoção comercial de tais tecnologias, reduzindo assim as emissões de carbono do país e fornecendo novas ferramentas para alívio de desastres e suporte de infraestrutura crítica.

“A produção de um reator nuclear de quarta geração em escala real terá implicações geopolíticas significativas para os Estados Unidos”, disse Jay Dryer, Diretor da SCO. “O DoD liderou a inovação americana muitas vezes no passado, e o “Projeto Pele” oferece uma oportunidade única de avançar tanto na resiliência energética quanto nas reduções de emissão de carbono, ao mesmo tempo em que define padrões aprimorados de segurança e não proliferação para reatores avançados em todo o mundo.”

Abaixo, vídeos sobre o prijeto na Eielson AFB e o Projeto PELE:

  • Fonte: USAF/Eielson AFB, Energy.gov e textos adaptados da inceptivemind.com via redação Orbis Defense Europe/Genebra.