Você sabe com quem está falando?

Você sabe com quem está falando?

Eugênio Ricas é Delegado
Federal, Adido da PF nos
EUA, Mestre em Gestão
Pública pela UFES,

No início de julho, matéria jornalística exibiu vídeo no qual uma mulher humilhava um fiscal responsável por conferir o cumprimento das normas contra a Covid-19, num bar do RJ. Ao ser chamado de cidadão pelo fiscal, que cumpria seu dever, a esposa do indivíduo vociferou: “Cidadão não, engenheiro civil, formado, melhor que você.” O comportamento da mulher foi condenado pela empresa em que ela trabalhava, gerando sua demissão.
Na última semana, fato semelhante aconteceu em São Paulo. Um desembargador caminhava pela faixa de areia do litoral santista sem utilizar máscara (conforme determina as normas do município) quando foi abordado pela fiscalização. Após ser alertado pelo guarda municipal da irregularidade, o magistrado além de se recusar a cumprir a norma municipal, telefonou para o secretário de segurança para demonstrar sua influência e, portanto, o motivo pelo qual ele estaria acima das normas. Não satisfeito, rasgou e jogou ao chão a multa que lhe foi aplicada. Ao telefone, o desembargador explicou ao seu interlocutor que o guarda municipal responsável pela abordagem era um analfabeto, que não entendia o que ele estava explicando.
Situações desse tipo não são novas na vida do desembargador. Em outro vídeo disponível na internet, o mesmo servidor público demonstra toda sua superioridade falando em francês com guardas municipais que lhe orientam a caminhar fora da ciclovia. Para demonstrar seu poder, apresenta a um dos servidores públicos seu telefone celular com diversos contatos de oficiais da Polícia Militar e afirma que seu irmão é o procurador de justiça que atua nos chamados IPMs (inquéritos policiais militares).
Em nota, a Prefeitura de Santos apoiou a postura do guarda. O Tribunal de Justiça informou que um procedimento interno foi instaurado para apurar os fatos. Em manifestação à imprensa, o ministro do STF, Marco Aurélio, afirmou que o desembargador deve ser punido e acrescentou que o comportamento inadequado do magistrado não prejudicou apenas os guardas municipais de Santos, mas todos os servidores do Judiciário.
Na visão do antropólogo Roberto DaMatta, a “carteirada” é sintoma de uma cultura que tem aversão ao igualitarismo. Ainda percebemos, de forma muito forte, resquícios do coronelismo que acaba por confundir o público e o privado em nosso país. Até mesmo os cargos públicos criados para servirem à sociedade acabam, em alguns casos, lamentavelmente, servindo a interesses e anseios eminentemente pessoais.
Se por um lado, ainda lamentamos ter que conviver com reações e condutas como as que foram narradas aqui, por outro, temos motivos para acreditar que a sociedade está mais intolerante a esses comportamentos. Já não há, atualmente, espaço para o coronelismo, para o jeitinho e para a carteirada. Ou nós, servidores públicos, de todos os poderes, passamos a compreender os limites e a verdadeira natureza dos nossos cargos, ou viveremos presos a um Brasil feudal, que luta, no entanto, para superar os desafios impostos pelo século XXI.



Receba nossas notícias em tempo real pelos aplicativos de mensagem abaixo:

 

Caso deseje conversar com outros usuários escolha um dos aplicativos abaixo:



Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do DefesaTV em seu e-mail